Loading...

quinta-feira, 26 de junho de 2014

A MINHA MISSÃO,E DE TODO BATIZADO



É importante dizer que neste texto,trago algumas exortações,para que eu é você possa assumir nosso

Apostolado,em comunhão com a Igreja,dentro de sua doutrina.
§900 Uma vez que, como todos os fiéis, os leigos são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, eles têm a obrigação e gozam do direito, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente por meio deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que sem ela o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito.
§901 "Os leigos, em virtude de sua consagração a Cristo e da unção do Espírito Santo, recebem a vocação admirável e os meios que permitem ao Espírito produzir neles frutos sempre mais abundantes. Assim, todas as suas obras, preces e iniciativas apostólicas, vida conjugal e familiar, trabalho cotidiano, descanso do corpo e da alma, se praticados no Espírito, e mesmo as provações da vida, pacientemente suportadas, se tornam 'hóstias espirituais, agradáveis a Deus por Jesus Cristo' (l Pd 2,5), hóstias que são piedosamente oferecidas ao Pai com a oblação do Senhor na celebração da Eucaristia. É assim que os leigos consagram a Deus o próprio mundo, prestando a Ele, em toda parte, na santidade de sua vida, um culto de adoração."

§783 Jesus Cristo é aquele que o Pai ungiu com o Espírito Santo e que constituiu "Sacerdote, Profeta e Rei". O Povo de Deus inteiro participa dessas três funções de Cristo e assume as responsabilidades de missão e de serviço que daí decorrem.
§784 Ao entrar no Povo de Deus pela fé e pelo Batismo, recebe-se participação na vocação única deste povo, em sua vocação sacerdotal: "Cristo Senhor, Pontífice tomado dentre os homens, fez do novo povo 'um reino e sacerdotes para Deus Pai'. Pois os batizados, pela regeneração e unção do Espírito Santo, são consagrados para ser uma morada espiritual e sacerdócio santo.
§785 "O povo santo de Deus participa também da função profética de Cristo." Isso se verifica de modo particular pelo sentido sobrenatural da fé, que é de todo o povo, leigos e hierarquia, apegando-se "indefectivelmente à fé uma vez para sempre transmitida aos santos", e aprofunda a compreensão da mesma e torna-se testemunha de Cristo no meio deste mundo.
§786 O Povo de Deus participa finalmente da função régia de Cristo. Cristo exerce sua realeza atraindo para si todos os homens por sua morte e Ressurreição. Cristo, Rei e Senhor do universo, se fez servidor de todos, não veio "para ser servido, mas para servir e para dar sua vida em resgate por muitos" (Mt 20,28). Para o cristão, "reinar é servir"; particularmente "nos pobres e nos sofredores, nos quais a Igreja reconhece a imagem de seu Fundador pobre e sofredor". O povo de Deus realiza sua "dignidade régia" vivendo em conformidade com esta vocação de servir com Cristo.

Todos os que renasceram em Cristo obtiveram, pelo sinal da cruz, a dignidade real e, pela unção do Espírito Santo, receberam a consagração sacerdotal. Por isso, não obstante o serviço especial do nosso ministério, todos os cristãos foram revestidos de um carisma espiritual que os torna membros desta família de reis e deste povo de sacerdotes. Não será, na verdade, função régia o fato de uma alma, submetida a Deus, governar seu corpo? E não será função sacerdotal consagrar ao Senhor uma consciência pura e oferecer no altar do coração a hóstia imaculada de nossa piedade?

§904 "Cristo... exerce seu múnus profético não somente por meio da hierarquia... mas também por meio dos leigos, fazendo deles testemunhas e provendo-os do senso da fé e da graça da palavra": Ensinar alguém para levá-lo à fé é a tarefa de cada pregador e até de cada crente.
§905 Os leigos exercem sua missão profética também pela evangelização, "isto é, o anúncio de Cristo feito pelo testemunho da vida e pela palavra". Nos leigos, "esta evangelização... adquire características específicas e eficácia peculiar pelo fato de se realizar nas condições comuns do século":
Este apostolado não consiste apenas no testemunho da vida: o verdadeiro Apóstolo procura as ocasiões para anunciar Cristo pela palavra, seja aos descrentes... seja aos fiéis.
§906 Os leigos que forem capazes e que se formarem para isto podem também dar sua colaboração na formação catequética, no ensino das ciências sagradas e atuar nos meios de comunicação social.
§907 "De acordo com a ciência, a competência e o prestígio de que gozam, têm o direito e, às vezes, até o dever de manifestar aos pastores sagrados a própria opinião sobre o que afeta o bem da Igreja e, ressalvando a integridade da fé e dos costumes e a reverência para com os pastores, e levando em conta a utilidade comum e a dignidade das pessoas, dêem a conhecer essa sua opinião também aos outros fiéis.
§910 Os leigos podem também sentir-se chamados ou vir a ser chamados para colaborar com os próprios pastores no serviço da comunidade eclesial, para o crescimento e a vida da mesma, exercendo ministérios bem diversificados, segundo a graça e os carismas que o Senhor quiser depositar neles."
§911 Na Igreja, "os fiéis leigos podem cooperar juridicamente no exercício do poder de governo" Isto se diz de sua presença nos concílios particulares, nos sínodos diocesanos nos conselhos pastorais; do exercício do encargo pastoral de uma paróquia; da colaboração nos conselhos de assuntos econômicos; da participação nos tribunais eclesiásticos etc.

§913 "Assim, todo leigo, em virtude dos dons que lhe foram conferidos, é ao mesmo tempo testemunha e instrumento vivo da própria missão da Igreja "pela medida do dom de Cristo" (Ef 4,7)
É importante,até aqui lembrar,a você meu querido irmão é irmã,que esta exortação,nós coloca a serviço,do Evangelho,também nuns mostra que os leigos e leigas,têm sim sua missão Evangelizadora,auxiliando o Clero,também no bom êxito de sua missão,eu particularmente faço meu trabalho de Evangelização,dentro destas normas,pois as mesma me estimula,cada vez mais estar unido,a cabeça que é Cristo Jesus.Agora no segundo momento,gostaria de trazer para partilha,alguns pontos importantes,sobre a ação do Espírito Santo,para que através de seu auxilio,possamos verdadeiramente,nos colocar como servos do Senhor Jesus,pois a palavra de Deus já nos exorta: 26.
Do mesmo modo, também o Espírito vem em auxílio da nossa fraqueza, pois nem sabemos o que convém pedir; mas o próprio Espírito intercede por nós com gemidos inefáveis.(Rm 8)










Repleto do Espírito Santo, Jesus voltou do rio Jordão, e era conduzido pelo Espírito através do deserto.(Lc 4)
1.Sobre os dons do Espírito, irmãos, não quero que vocês fiquem na ignorância.
2.Vocês sabem que, quando eram pagãos, se sentiam irresistivelmente arrastados para os ídolos mudos.
3.Por isso, eu declaro a vocês que ninguém, falando sob a ação do Espírito de Deus, jamais poderá dizer: "maldito Jesus" E ninguém poderá dizer: "Jesus é o Senhor!" a não ser sob a ação do Espírito Santo.
4.Existem dons diferentes, mas o Espírito é o mesmo;
5.diferentes serviços, mas o Senhor é o mesmo;
6.diferentes modos de agir, mas é o mesmo Deus que realiza tudo em todos.
7.Cada um recebe o dom de manifestar o Espírito para a utilidade de todos.
8.A um, o Espírito dá a palavra de sabedoria; a outro, a palavra de ciência segundo o mesmo Espírito;
9.a outro, o mesmo Espírito dá a fé; a outro ainda, o único e mesmo Espírito concede o dom das curas;
10.a outro, o poder de fazer milagres; a outro, a profecia; a outro, o discernimento dos espíritos; a outro, o dom de falar em línguas; a outro ainda, o dom de as interpretar.
11.Mas é o único e mesmo Espírito quem realiza tudo isso, distribuindo os seus dons a cada um, conforme ele quer.(ICor 12)
8.Mas o Espírito Santo descerá sobre vocês, e dele receberão força para serem as minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até os extremos da terra."(At 1)
17.'Nos últimos dias, diz o Senhor, eu derramarei o meu Espírito sobre todas as pessoas. Os filhos e filhas de vocês vão profetizar, os jovens terão visões e os anciãos terão sonhos.
18.E, naqueles dias, derramarei o meu Espírito também sobre meus servos e servas, e eles profetizarão.
19.Farei prodígios no alto do céu, e sinais embaixo na terra: sangue, fogo e nuvens de fumaça.
20.O sol se transformará em trevas, e a lua em sangue, antes que chegue o dia do Senhor, dia grande e glorioso.
21.E todo aquele que invocar o nome do Senhor, será salvo.'(At 2)
2819     "O Reino de Deus é justiça, paz e alegria no Espírito Santo" (Rm 14,17). Os últimos tempos, que estamos vivendo, são os tempos da efusão do Espírito Santo. Trava-se, por conseguinte, um combate decisivo entre "a carne" e o Espírito:
Só um coração puro pode dizer com segurança: "Venha a nós o vosso Reino". E preciso ter aprendido com Paulo para dizer: "Portanto, que o pecado não impere mais em vosso corpo mortal" (Rm 6,12). Quem se conserva puro em suas ações, em seus pensa­mentos e em suas palavras pode dizer a Deus: "Venha o vosso Reino"
1287     Ora, esta plenitude do Espírito não devia ser apenas a do Messias; devia ser comunicada a todo o povo messiânico. Por várias vezes Cristo prometeu esta efusão do Espírito, promessa que realizou primeiramente no dia da Páscoa. e em seguida, de maneira mais marcante, no dia de Pentecostes. Repletos do Espírito Santo, os Apóstolos começam a proclamar “as maravilhas de Deus” (At 2,11), e Pedro começa a declarar que esta efusão do Espírito é o sinal dos tempos messiânicos. Os que então creram na pregação apostólica e que se fizeram batizar também receberam o dom do EspíritoSanto
739         Por ser o Espírito Santo a unção de Cristo, é Cristo, a Cabeça do Corpo, que o difunde em seus membros, para alimentá-los, curá-los, organizá-los em suas funções mútuas, vivificá-los, enviá-los a testemunhar, associá-los,à sua oferta ao Pai e à sua intercessão pelo mundo inteiro. É pelos sacramentos da Igreja que Cristo comunica aos membros de seu Corpo o seu Espírito Santo e Santificador (a ser tratado na segunda parte do Catecismo).
686         O Espírito Santo está em ação com o Pai e o Filho do início até a consumação do Projeto de nossa salvação. Mas é nos “últimos tempos", inaugurados pela Encarnação redentora do Filho que ele é revelado e dado, reconhecido e acolhido como Pessoa. Então este Projeto Divino, realizado em Cristo, "Primogênito” e Cabeça da nova criação, poderá tomar corpo na humanidade pelo Espírito difundido: a Igreja, a comunhão dos santos, a remissão dos pecados, a ressurreição da carne, a Vida Eterna.706         Contra toda esperança humana, Deus promete a Abraão a uma descendência, como fruto da fé e do poder do Espírito Santo Nela serão abençoadas todas as nações da terra. Esta descendência será Cristo, no qual a efusão do Espírito Santo fará "a unidade dos filhos de Deus dispersos". Ao comprometer-se por juramento, Deus já se compromete a dar seu Filho bem-amado e "o Espírito da promessa... que prepara a redenção do Povo que Deus adquiriu para si".
782         O Povo de Deus tem características que o distinguem nitidamente de todos os agrupamentos religiosos, étnicos, políticos ou culturais da história:

      Ele é o Povo de Deus: Deus não pertence, como propriedade, a nenhum povo. Mas adquiriu para si um povo dentre os que outrora não eram um povo: "Uma raça eleita, um sacerdócio régio, uma nação santa" (1Pd 2,9).
      A pessoa torna-se membro deste povo não pelo nascimento físico, mas pelo "nascimento do alto", "da  água e do Espírito" (Jo 3,3-5), isto é, pela fé em Cristo e pelo Batismo.
      Este povo tem por Chefe (Cabeça) Jesus Cristo (Ungido, Messias); pelo fato de a mesma Unção, o Espírito Santo, fluir da Cabeça para o Corpo, ele é "o Povo messiânico”.
      A condição deste povo é a dignidade da liberdade dos filhos de Deus: nos corações deles, como em um templo, reside o Espírito Santo
      "Sua lei é o mandamento novo de amar como Cristo mesmo nos amou.. É a lei "nova" do Espírito Santo.
     Sua missão é ser o sal da terra e a luz do mundo. “Ele constitui para todo o gênero humano o mais forte germe de unidade, esperança e salvação.
      Finalmente, sua meta é "o Reino de Deus, iniciado na terra por Deus mesmo, Reino a ser estendido mais e mais, até que, no fim dos tempos, seja consumado por Deus mesmo.2736     Estamos acaso convencidos de que "nem sabemos o que con­vém pedir" (Rm 8,26)? Pedimos a Deus "os bens convenientes"? Nosso Pai sabe do que precisamos, antes de lho pedirmos, mas espera nosso pedido porque a dignidade de seus filhos está preci­samente em sua liberdade. Mas é preciso rezar com seu Espírito de liberdade para poder conhecer na verdade o seu desejo.2756     A confiança filial é posta â prova quando temos o sentimento de não ser sempre ouvidos. O Evangelho nos convida a nos interrogar sobre a conformidade de nossa oração com o de­sejo do Espírito.
1704     A pessoa humana participa da luz e da força do Espírito divino. Pela razão, é capaz de compreender a ordem das coi­sas estabelecida pelo Criador. Por sua vontade, ela é capaz de ir, por si, ao encontro de seu verdadeiro bem. Encontra sua perfeição na "busca e no amor da verdade e do bem.
1813     As virtudes teologais fundamentam, animam e caracterizam o agir moral do cristão. Informam e vivificam todas as virtudes morais. São infundidas por Deus na alma dos fiéis para torná-los capazes de agir como seus filhos e merecer a vida eterna. São o penhor da presença e da ação do Espírito Santo nas faculdades do ser humano. Há três virtudes teologais: a fé, a esperança e a caridade 1508     O Espírito Santo dá a algumas pessoas um carisma especial de cura para manifestar a força da graça do ressuscitado. Todavia, mesmo as orações mais intensas não conseguem obter a cura de todas as doenças. Por isso, São Paulo deve aprender do Senhor que “basta-te a minha graça, pois é na fraqueza que minha força manifesta todo o seu poder” (2Cor 12,9), e que os sofrimentos que temos de suportar podem ter como sentido “completar na minha carne o que falta às tribulações de Cristo por seu corpo, que é a Igreja” (Cl 1,24).
799         Quer extraordinários quer simples e humildes, os carismas são graças do Espírito Santo que, direta ou indiretamente, têm urna utilidade eclesial, pois são ordenados à edificação da Igreja, ao bem dos homens e às necessidades do mundo.
951         A comunhão dos carismas. Na comunhão da Igreja, o Espirito Santo" distribui também entre os fiéis de todas as ordens as graças especiais" para a edificação da Igreja. Ora, "cada um recebe o dom de manifestar o Espírito para a utilidade de todos" (1Cor 12,7).
736         É por este poder do Espírito que os filhos de Deus podem (dar fruto. Aquele que nos enxertou na verdadeira vida nos fará produzir "o fruto do Espírito, que é amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, autodomínio" (Gl 5,22-23). "Se vivemos pelo Espírito", quanto mais renunciarmos a nós mesmos, tanto mais "pelo Espírito pautemos também a nossa conduta:
1832     Os frutos do Espírito são perfeições que o Espírito Santo forma em nós como primícias da glória eterna. A Tradição da Igreja enumera doze: "caridade, alegria, paz, paciência, longani­midade, bondade, benignidade, mansidão, fidelidade, modés­tia, continência e castidade" (Gl 5,22-23 vulg.).
2690     O Espírito Santo dá a certos fiéis dons de sabedoria, de fé e de discernimento em vista do bem comum que é a oração (direção espiritual). Aqueles e aquelas que têm esses dons são verdadeiros servidores da tradição viva da oração:
729         É somente quando chega a Hora em que vai ser glorificado que Jesus promete a vinda do Espírito Santo, pois sua Morte e Ressurreição serão o cumprimento da Promessa feita aos Apóstolos: o Espírito de Verdade, o Paráclito, será dado pelo Pai a pedido de Jesus; Ele será enviado pelo Pai em nome de Jesus; Jesus o enviará de junto do Pai, pois ele procede do Pai. O Espírito Santo virá, nós o conheceremos, Ele estará conosco para sempre, Ele permanecerá conosco; Ele nos ensinará tudo e nos lembrará de tudo o que Cristo nos disse, e dele dará testemunho; conduzir-nos-á à verdade inteira e glorificará a Cristo. Quanto ao mundo, confundi-lo-á em matéria de pecado, de justiça e de julgamento.
1287     Ora, esta plenitude do Espírito não devia ser apenas a do Messias; devia ser comunicada a todo o povo messiânico. Por várias vezes Cristo prometeu esta efusão do Espírito, promessa que realizou primeiramente no dia da Páscoa. e em seguida, de maneira mais marcante, no dia de Pentecostes. Repletos do Espírito Santo, os Apóstolos começam a proclamar “as maravilhas de Deus” (At 2,11), e Pedro começa a declarar que esta efusão do Espírito é o sinal dos tempos messiânicos. Os que então creram na pregação apostólica e que se fizeram batizar também receberam o dom do Espírito Santo
784         Ao entrar no Povo de Deus pela fé e pelo Batismo, recebe-se participação na vocação única deste povo, em sua vocação sacerdotal: "Cristo Senhor, Pontífice tomado dentre os homens, fez do novo povo 'um reino e sacerdotes para Deus Pai'. Pois os batizados, pela regeneração e unção do Espírito Santo, são consagrados para ser uma morada espiritual e sacerdócio santo.786         O Povo de Deus participa finalmente da função régia de Cristo. Cristo exerce sua realeza atraindo para si todos os homens por sua morte e Ressurreição. Cristo, Rei e Senhor do universo, se fez servidor de todos, não veio "para ser servido, mas para servir e para dar sua vida em resgate por muitos” (Mt 20,28). Para o cristão, "reinar é servir, particularmente "nos pobres e nos sofredores, nos quais a Igreja reconhece a imagem de seu Fundador pobre e sofredor. O povo de Deus realiza sua "dignidade régia" vivendo em conformidade com esta vocação de servir com Cristo.747         O Espírito Santo que Cristo, Cabeça, derrama em seus membros constrói, anima e santifica a Igreja. Ela é o sacramento da Comunhão da Santíssima Trindade e dos homens.768         Para realizar sua missão, o Espírito Santo "dota e dirige a Igreja mediante os diversos dons hierárquicos e carismáticos. "Por isso a Igreja, enriquecida com os dons de seu Fundador e empenhando-se em observar fielmente seus preceitos de caridade, humildade e abnegação, recebeu a missão de anunciar o Reino de Cristo e de Deus e de estabelecê-lo em todos os povos; deste Reino ela constitui na terra o germe e o início.
852         Os caminhos da missão. "O Espírito Santo é o protagonista de toda a missão eclesial." É ele quem conduz a Igreja pelos caminhos da missão. "Esta missão, no decurso da história, continua e desdobra a missão do próprio Cristo, enviado a evangelizar os pobres. Eis por que a Igreja, impelida pelo Espírito de Cristo, deve trilhar a mesma senda de Cristo, isto é, o caminhos da pobreza, da obediência, do serviço e da imolação de si até a, morte, da qual Ele saiu vencedor por sua Ressurreição." É assim que "o sangue dos mártires é uma semente de cristãos".94             Graças à assistência do Espírito Santo, a compreensão tanto das realidades como das palavras do depósito da fé pode crescer na vida da Igreja:
"Pela contemplação e estudo dos que crêem, os quais as meditam em seu coração, é em especial "a pesquisa teológica que aprofunda o conhecimento da verdade revelada".
"Pela íntima compreensão que os fiéis desfrutam das coisas espirituais"; "Divina eloquia cum legente crescunt - as palavras divinas crescem com o leitor".
"Pela pregação daqueles que, com a sucessão episcopal, receberam o carisma seguro da verdade."152         Não se pode crer em Jesus Cristo sem participar de seu Espírito. E o Espírito Santo que revela aos homens quem é Jesus. Pois "ninguém pode dizer 'Jesus é Senhor' a não ser no Espírito Santo" (1 Cor 12,3). "O Espírito sonda todas as coisas, até mesmo as profundidades de Deus... O que está em Deus, ninguém o conhece a não ser o Espírito de Deus" (1 Cor 2,10-11). Só Deus conhece a Deus por inteiro. Cremos no Espírito Santo porque Ele é Deus.
A Igreja não cessa de confessar sua fé em um só Deus, Pai, Filho e Espírito Santo158         "A fé procura compreender": e característico da fé o crente desejar conhecer melhor Aquele em quem pôs sua fé e compreender melhor o que Ele revelou; um conhecimento mais penetrante despertará por sua vez uma fé maior, cada vez mais ardente de amor. A graça da fé abre "os olhos do coração" (Ef. 1,18) para uma compreensão viva dos conteúdos da Revelação, isto é, do conjunto do projeto de Deus e dos mistérios da fé, do nexo deles entre si e com Cristo, centro do Mistério revelado. Ora, para "tomar cada vez mais profunda a compreensão da Revelação, o mesmo Espírito Santo aperfeiçoa continuamente a fé por meio de seus dons. Assim, segundo o adágio de Santo Agostinho, "eu creio para compreender, e compreendo para melhor crer".175 "Esta fé que recebemos da Igreja, nós a guardamos com cuidado, pois sem cessar, sob a ação do Espírito de Deus, à guisa de um depósito de grande preço encerrado em um vaso precioso, ela rejuvenesce e faz rejuvenescer o próprio vaso que a contém."
683         "Ninguém pode dizer ‘Jesus é Senhor’ a não ser no Espírito Santo" (1Cor 12,3). "Deus enviou a nossos corações o Espírito de seu Filho que clama: Abbá, Pai!" (Gl 4,6). Este conhecimento de fé só é possível no Espírito Santo Para estar em contato com Cristo, é preciso primeiro ter sido tocado pelo Espírito Santo É ele que nos precede e suscita em nós a fé. Por nosso Batismo, primeiro sacramento da fé, a Vida, que tem sua fonte no Pai e nos é oferecida no Filho, nos é comunicada intimamente e pessoalmente pelo Espírito Santo na Igreja:
(Parágrafos Relacionados 424,2670,152)
O Batismo nos concede a graça do novo nascimento em Deus Pai por meio de seu Filho no Espírito Santo Pois os que têm o Espírito de Deus são conduzidos ao Verbo, isto é, ao Filho; mas o Filho os apresenta ao Pai, e o Pai lhes concede a incorruptibilidade. Portanto, sem o Espírito não é possível ver o Filho de Deus, e sem o Filho ninguém pode aproximar-se do Pai, pois o conhecimento do Pai é o Filho, e o conhecimento do Filho de Deus se faz pelo Espírito Santo.
2003     A graça é antes de tudo e principalmente o dom do Espírito que nos justifica e nos santifica. Mas a graça compreende igualmente os dons que o Espírito nos concede, para nos a associar à sua obra, para nos tornar capazes de colaborar com a salvação dos outros e com o crescimento do corpo de Cristo, a Igreja. São as graças sacramentais dons próprios dos diferentes sacramentos. São, além disso, as graças especiais, chamadas também "carismas", segundo a palavra grega empregada por S. Paulo e que significa favor, dom gratuito, benefício. Seja qual for seu caráter, às vezes extraordinário, como o dom dos milagres ou das línguas, os carismas se ordenam à graça santificante e têm como meta o bem comum da Igreja. Acham-se a serviço da caridade, que edifica a Igreja.
737         A missão de Cristo e do Espírito Santo realiza-se na Igreja, Corpo de Cristo e Templo do Espírito Santo. Esta missão conjunta associa a partir de agora os fiéis de Cristo à sua comunhão com o Pai no Espírito Santo: o Espírito prepara os homens, antecipa-se a eles por sua graça, para atraí-los a Cristo. Manifesta-lhes o Senhor ressuscitado, lembra-lhes sua palavra, abrindo-lhes o espírito à compreensão de sua Morte e Ressurreição. Torna-lhes presente o mistério de Cristo, eminentemente na Eucaristia, a fim de reconciliá-los, de colocá-los em comunhão com Deus, a fim de fazê-los produzir "muito fruto".
738         Assim, a missão da Igreja não é acrescentada à de Cristo e do Espírito Santo, senão que é o Sacramento dela: por todo o seu ser e em todos os seus membros, a Igreja é enviada a anunciar e testemunhar, atualizar e difundir o mistério da comunhão da Santíssima Trindade.
Nós todos, que recebemos o único e mesmo espírito, a saber, o Espírito Santo, unimo-nos profundamente entre nós e com Deus. Pois embora sejamos numerosos separadamente e embora Cristo faça com que o Espírito do Pai e o dele habite em cada um de nós, este Espírito único e indivisível reconduz por si mesmo à unidade os que são distintos entre si... e faz com que todos apareçam como uma só coisa nele mesmo. E, da mesma forma que o poder da santa humanidade de Cristo faz com que todos aqueles em quem ela se encontra formem um só corpo, penso que da mesma maneira o Espírito de Deus que habita em todos, único e indivisível, os reconduz todos à unidade espiritual.
1989     A primeira obra da graça do Espírito Santo é a conversão que opera a justificação segundo o anúncio de Jesus no princípio do Evangelho: "Arrependei-vos (convertei-vos), porque está próximo o Reino dos Céus" (Mt 4,17). Sob a moção da graça, o homem se volta para Deus e se aparta do pecado, acolhendo, assim, o perdão e a justiça do alto. "A justificação comporta a remissão dos pecados, a santificação e a renova­ção do homem interior.”
79             Assim, a comunicação que o Pai fez de si mesmo por seu Verbo no Espírito Santo permanece presente e atuante na Igreja: "O Deus que outrora falou mantém um permanente diálogo com a esposa de seu dileto Filho, e o Espírito Santo, pelo qual a voz viva do Evangelho ressoa na Igreja e através dela no mundo, leva os crentes à verdade toda e faz habitar neles abundantemente a palavra de Cristo"
91-Todos os fiéis participam da compreensão e da transmissão da verdade revelada. Receberam a unção do Espírito Santo, que os instrui e os conduz à verdade em sua totalidade.
737   A missão de Cristo e do Espírito Santo realiza-se na Igreja, Corpo de Cristo e Templo do Espírito Santo. Esta missão conjunta associa a partir de agora os fiéis de Cristo à sua comunhão com o Pai no Espírito Santo: o Espírito prepara os homens, antecipa-se a eles por sua graça, para atraí-los a Cristo. Manifesta-lhes o Senhor ressuscitado, lembra-lhes sua palavra, abrindo-lhes o espírito à compreensão de sua Morte e Ressurreição. Torna-lhes presente o mistério de Cristo, eminentemente na Eucaristia, a fim de reconciliá-los, de colocá-los em comunhão com Deus, a fim de fazê-los produzir "muito fruto".
1697     Importa, na catequese, revelar com toda clareza a alegria e as exigências do caminho de Cristo. A catequese da “vida nova” (Rm 6,4) em Cristo será:
      uma catequese do Espírito Santo, Mestre interior da vida segundo Cristo, doce hóspede e amigo que inspira, conduz, retifica e fortifica esta vida;
      uma catequese da graça, pois é pela graça que somos salvos, e é pela graça que nossas obras podem produzir frutos para a vida eterna;
      uma catequese das bem-aventuranças, pois o caminho de Cristo se resume às bem-aventuranças, único caminho para a felicidade eterna, à qual o coração do homem aspira;
      uma catequese do pecado e do perdão, pois, sem reconhecer-se pecador, o homem não pode conhecer a verdade sobre si mesmo, condição do reto agir, e sem a oferta do perdão não poderia suportar essa verdade;
      uma catequese das virtudes humanas, que faz abraçar beleza e a atração das retas disposições em vista do bem;
      uma catequese das virtudes cristãs da fé, esperança  e caridade, que se inspira com prodigalidade no exemplo dos santos;
      uma catequese do duplo mandamento da caridade de­senvolvido no Decálogo;
     uma catequese eclesial, pois é nos múltiplos inter­câmbios dos "bens espirituais" na "comunhão dos san­tos que a vida cristã pode crescer, desenvolver-se e comunicar-se
1742     Liberdade e graça. A graça de Cristo não entra em con­corrência com nossa liberdade quando esta corresponde ao sentido da verdade e do bem que Deus colocou no coração do homem. Ao contrário, como a experiência cristã o atesta, ­sobretudo na oração, quanto mais dóceis formos aos impulsos da graça, tanto mais crescem nossa liberdade intima e nossa se­gurança nas provações e diante das pressões e coações do mundo externo. Pela obra da graça, o Espírito Santo nos educa à liberdade espiritual, para fazer de nós livres colaboradores de sua obra na Igreja e no mundo.
"Deus de poder e misericórdia, afastai de nós todo obstáculo, para que, inteiramente disponíveis, nos dediquemos a vosso serviço."
1695     "Justificados em nome do Senhor Jesus Cristo e pelo Espírito de nosso Deus" (1Cor 5,11), “santificados... chamados a ser santos”, os cristãos se tornaram "templo do Espírito Santo" (1Cor 6,19). Esse "Espírito do Filho" os ensina a orar ao Pai e, tendo-se tornado vida deles, os faz agir [a16]para carregarem em si "os frutos do Espírito" pela caridade operante. Curando as feridas do pecado, o Espírito Santo nos "renova pela transformação espiritual de nossa mente", ele nos ilumina e fortifica para vivermos como "filhos da luz" (Ef 5,8), na "bondade, justiça e verdade" em todas as coisas (Ef 5,9).
1769     Na vida cristã, o próprio Espírito Santo realiza sua obra mobilizando o ser inteiro, inclusive suas dores, medos e tris­tezas, como aparece na Agonia e Paixão do Senhor. Em Cris­to, os sentimentos humanos podem receber sua consumação na caridade e na bem-aventurança divina.
720         Finalmente, com João Batista o Espírito Santo inaugura, prefigurando-o, o que realizará com e em Cristo: restituirá ao homem "a semelhança" divina. O Batismo de João era para o arrependimento, o Batismo da água e no Espírito será um novo nascimento
734         Pelo fato de estarmos mortos, ou, pelo menos, feridos pelo pecado, o primeiro efeito do dom do Amor é a remissão de nossos pecados. É a comunhão do Espírito Santo (2Cor 13,13) que, na Igreja, restitui aos batizados a semelhança divina perdida pelo pecado.
1698     A [§32]referência primeira e última dessa catequese será sem­pre Jesus Cristo, que é "o caminho, a verdade e a vida" (Jo 14,6). Contemplando-o na fé, os fiéis podem esperar que Cris­to realize neles suas promessas e, amando-o com o amor com que Ele os amou, façam as obras que correspondem à sua dignidade:
Peço que considereis que Jesus Cristo nosso Senhor é vossa verdadeira Cabeça e que vós sois um de seus membros. Ele é para vós o que a Cabeça é para os membros; tudo o que é dele é vosso, seu espírito, coração, corpo, alma e todas as suas fa­culdades e deveis fazer uso disso como coisa vossa para servir, louvar, amar e glorificar a Deus. Vós sois em relação a Ele o que os membros são em relação à cabeça. Assim, Ele deseja ardentemente fazer uso de tudo o que está em vós para o ser­viço e a glória de seu Pai, como coisa sua.
Para mim , viver é Cristo (Fl 1,21)
1708     Por sua paixão, Cristo livrou-nos de Satanás e do pecado. Ele nos mereceu a vida nova no Espírito Santo. Sua graça restaura o que o pecado deteriorou em nós.
1715     Quem crê em Cristo tem a vida nova no Espírito Santo. A vida moral, desenvolvida e amadurecida na graça, deve completar-se na glória do céu.
1533     O Batismo, a Confirmação e a Eucaristia são os sacramentos da iniciação cristã. São a base da vocação comum de todos os discípulos de Cristo, vocação à santidade e à missão de evangelizar o mundo. Conferem as graças necessárias à vida segundo Espírito nesta vida de peregrinos a caminho da Pátria.
2848     "Não cair em tentação" envolve uma decisão do coração". Onde está o teu tesouro, aí estará também teu coração... Ninguém pode servir a dois senhores" (Mt 6,21.24). "Se vivemos pelo Espírito, pelo Espírito pautemos também nossa conduta" (Gl 5,25). Neste consentimento" dado ao Espírito Santo, o Pai nos dá a força. "As tentações que vos acometeram tiveram medida humana. Deus é fiel; não permitirá que sejais tentados acima de vossas forças. Mas, com a tentação, Ele vos dará os meios de sair dela e a força para a suportar" (1 Cor 10,13).
Pois bem meus irmãos e irmãs,veja que beleza e o Espírito Santo de Deus,é como de fato devemos,sermos dócio a sua vontade,,depois de trazer,tanta riqueza,doutrinária,espero ter colaborado,para que de fato,possamos cada vez mais não temer,nossa missão,e não deixar que nada é ninguém,venha nós atrapalhar na mesma.Mediante a tudo isto revelado,ainda trago,algumas considerações,e ao mesmo tempo exortações da palavra de Deus,para seguirmos,em frente.
25.Derramarei sobre vocês uma água pura, e vocês ficarão purificados. Vou purificar vocês de todas as suas imundícies e de todos os seus ídolos.
26.Darei para vocês um coração novo, e colocarei um espírito novo dentro de vocês. Tirarei de vocês o coração de pedra, e lhes darei um coração de carne.
27.Colocarei dentro de vocês o meu espírito, para fazer com que vivam de acordo com os meus estatutos e observem e coloquem em prática as minhas normas.(Ez 36)
34.Maria perguntou ao anjo: "Como vai acontecer isso, se não vivo com nenhum homem?"
35.O anjo respondeu: "O Espírito Santo virá sobre você, e o poder do Altíssimo a cobrirá com sua sombra. por isso, o Santo que vai nascer de você será chamado Filho de Deus.(Lc 1)
46.Então Maria disse: "Minha alma proclama a grandeza do Senhor,
47.meu espírito se alegra em Deus, meu salvador,(Lc 1)
5.Os que vivem segundo os instintos egoístas inclinam-se para os instintos egoístas; mas os que vivem segundo o espírito inclinam-se para aquilo que é próprio do Espírito.
6.Os desejos dos instintos egoístas levam à morte; enquanto os desejos do Espírito levam para a vida e a paz.
7.De fato, os desejos dos instintos egoístas estão em revolta contra Deus, porque não se submetem à lei de Deus; e nem mesmo o podem,
8.porque os que vivem segundo os instintos egoístas não podem agradar a Deus.
14.Todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus.
15.E vocês não receberam um Espírito de escravos para recair no medo, mas receberam um Espírito de filhos adotivos, por meio do qual clamamos: Abba! Pai!
16.O próprio Espírito assegura ao nosso espírito que somos filhos de Deus.
17.E se somos filhos, somos também herdeiros: herdeiros de Deus, herdeiros junto com Cristo, uma vez que, tendo participado dos seus sofrimentos, também participaremos da sua glória.(Rm 8)
16.Por isso é que lhes digo: vivam segundo o Espírito, e assim não farão mais o que os instintos egoístas desejam.
17.Porque os instintos egoístas têm desejos que estão contra o Espírito, e o Espírito contra os instintos egoístas; Os dois estão em conflito, de modo que vocês não fazem o que querem.
18.Mas, se forem conduzidos pelo Espírito, vocês não estarão mais submetidos à Lei.
19.Além disso, as obras dos instintos egoístas são bem conhecidas: fornicação, impureza, libertinagem,
20.idolatria, feitiçaria, ódio, discórdia, ciúme, ira, rivalidade, divisão, sectarismo,
21.inveja, bebedeira, orgias e outras coisas semelhantes. Repito o que já disse: os que fazem tais coisas não herdaram o Reino de Deus.
22.Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, bondade, benevolência, fé,
23.mansidão e domínio de si. Contra essas coisas não existe lei.
24.Os que pertencem a Cristo crucificaram os instintos egoístas junto com suas paixões e desejos.
25.Se vivemos pelo Espírito, caminhemos também sob o impulso do Espírito.(Gl 5)
17.Que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai a quem pertence a glória, lhes dê um espírito de sabedoria que lhes revele Deus, e faça que vocês o conheçam profundamente.
18.Que lhes ilumine os olhos da mente, para que compreendam a esperança para a qual ele os chamou; para que entendam como é rica e gloriosa a herança destinada ao seu povo;
19.e compreendam o grandioso poder com que ele age em favor de nós que acreditamos, conforme a sua força poderosa e eficaz.(Ef 1)
17.Coloquem o capacete da salvação e peguem a espada do Espírito, que é a Palavra de Deus.(Ef 6)
Não poderia,deixar de trazer uma exortação da CONSTITUIÇÃO DOGMÁTICA DEI VERBUM,sobre a revelação Divina,que diz:Leitura da Sagrada Escritura
25. É necessário, por isso, que todos os clérigos e sobretudo os sacerdotes de Cristo e outros que, como os diáconos e os catequistas, se consagram legìtimamente ao ministério da palavra, mantenham um contacto íntimo com as Escrituras, mediante a leitura assídua e o estudo aturado, a fim de que nenhum deles se torne «pregador vão e superficial da palavra de Deus. por não a ouvir de dentro» (4), tendo, como têm, a obrigação de comunicar aos fiéis que lhes estão confiados as grandíssimas riquezas da palavra divina, sobretudo na sagrada Liturgia. Do mesmo modo, o sagrado Concílio exorta com ardor e insistência todos os fiéis, mormente os religiosos, a que aprendam «a sublime ciência de Jesus Cristo» (Fil. 3,8) com a leitura frequente das divinas Escrituras, porque «a ignorância das Escrituras é ignorância de Cristo» (5). Debrucem-se, pois, gostosamente sobre o texto sagrado, quer através da sagrada Liturgia, rica de palavras divinas, quer pela leitura espiritual, quer por outros meios que se vão espalhando tão louvàvelmente por toda a parte, com a aprovação e estímulo dos pastores da Igreja. Lembrem-se, porém, que a leitura da Sagrada Escritura deve ser acompanhada de oração para que seja possível o diálogo entre Deus e o homem; porque «a Ele falamos, quando rezamos, a Ele ouvimos, quando lemos os divinos oráculos» (6).
Compete aos sagrados pastores «depositários da doutrina apostólica» (7), ensinar oportunamente os fiéis que lhes foram confiados no uso recto dos livros divinos, de modo particular do Novo Testamento, e sobretudo dos Evangelhos. E isto por meio de traduções dos textos sagrados, que devem ser acompanhadas das explicações necessárias e verdadeiramente suficientes, para que os filhos da Igreja se familiarizem dum modo seguro e. útil com a Sagrada Escritura, e se penetrem do seu espírito.
Além disso, façam-se edições da Sagrada Escritura, munidas das convenientes anotações, para uso também dos não cristãos, e adaptadas às suas condições; e tanto os pastores de almas como os cristãos de qualquer estado procuram difundi-las com zelo e prudência.
Influência e importância da renovação escriturística
 26. Deste modo, pois, com a leitura e estudo dos livros sagrados, «a palavra de Deus se difunda e resplandeça (2 Tess. 3,1), e o tesouro da revelação confiado à Igreja encha cada vez mais os corações dos homens. Assim como a vida da Igreja cresce com a assídua frequência do mistério eucarístico, assim também é lícito esperar um novo impulso de vida espiritual, se fizermos crescer a veneração pela palavra de Deus, que «permanece para sempre» (Is. 40,8; cfr. l Pedr. 1, 23-25).
Deixo também uma palavra,que em oração o Senhor,me deu em 2011,no momento de oração,na qual tomei posse,da mesma e venho,fazendo com que ela si cumpra em minha vida,como também CREIO,no cumprimento da palavra de DEUS,em sua totalidade,em qualquer momento,que ela é proclamada,pois DEUS É FIEL.
6.Ele diz: "É muito pouco você tornar-se o meu servo, só para reerguer as tribos de Jacó, só para trazer de volta os sobreviventes de Israel. Faço de você uma luz para as nações, para que a minha salvação chegue até os confins da terra".(Is 49)





terça-feira, 1 de abril de 2014

A MISERICÓRDIA



                                                          ”Ofereço aos homens um vaso,
                                      com o qual devem vir buscar graças na fonte da misericórdia. 
                        Esse vaso é a Imagem com a inscrição: Jesus, eu confio em Vós” (Diário, 327).


Queridos irmãos e irmãs,em algum momento de sua vida,você já si perguntou,ai de mi  si não fosse,a Misericórdia do senhor.Pois bem,diante deste princípio,iremos partilha esta dadiva de Deus Pai,na pessoa de Jesus Cristo,seu filho e nosso senhor.Na carta de Judas encontramos:A VÓS,MISERICÓRDIA,PAZ E AMOR EM ABUNDÂNCIA!(Jd 1)No cântico de Maria,encontramos:E SUA MISERICÓRDIA SE ESTENDE DE GERAÇÃO EM GERAÇÃO.(Lc 1)Será que temos,em nossas mentes e,em nossos corações,a de menção da Misericórdia do senhor.Jesus diz a Santa Faustina:Minha filha,diz as almas que estou ilhes dando,como defesa,a minha Misericórdia,estou lutando por elas sozinho e suportando a justa ira de meu Pai(D 1516)Minha filha,diz que a festa da minha Misericórdia,brotou das minhas entranhas para o consolo do mundo inteiro.
Vejam irmãos e irmãs,como muita das vezes,não nós damos conta destas verdades,ou por falta de formação,é até interesse,estamos ai vivendo,um mundo cada vez,mais distante da Misericórdia do senhor,nós deparamos,com pessoas que deveriam propagar,a Misericórdia dele,pois assim ele exorta,e nem sempre,os escolhidos fazem,jus a esta realidade.Mais temos também,por outro lado,irmãos é irmãs,que si empenha para que a vontade de Jesus,si concretize.Porque assim ele determina:Minha filha,não te canses de divulgar a minha Misericórdia,consolarás com isso meu coração,que arde com a chama de compaixão para com os pecadores.Diz aos meus Sacerdotes que os pecadores empedernidos se arrependerão diante,da compaixão que tenho para com eles no meu coração.Aos Sacerdotes que proclamarem e glorificarem a minha  Misericórdia darei um poder extraordinário,ungindo as suas palavras,e tocarei os corações daqueles a quem falarem.(D 1521)
Elevemos neste,momento uma prece,para que aqueles,escolhidos que ainda,não si deram conta da dimensão que é a Misericórdia do Senhor,que nossa oração possa,agora soar em seus corações pela graça do espírito santo....
Jesus continua a dizer,a Santa Faustina:No antigo testamento,eu enviava profetas ao meu povo com ameaças.Hoje estou enviando-te a toda a humanidade com minha Misericórdia,não quero castigos,apenas quando eles mesmos me obrigam a isso,e é com relutância que a minha mão empunha a espada da justiça.Antes do dia da justiça estou enviando o dia da Misericórdia. Poderíamos trazer ainda mais coisas que Jesus disse para,Santa Faustina,mais até aqui já,agradeço a Deus Pai,e a 
   Jesus,que pela graça do espírito santo,veio ao meu auxilio,para fazer esta partilha,mais para finalizar,não poderia de mais uma vez,recorrer-me ao Diário de Santa Faustina,desejando como nosso senhor Jesus Cristo,deseja que a humanidade mergulhe em sua Misericórdia.
Pinta uma imagem de acordo com o modelo que estás vendo,com a inscrição,Jesus,eu confio em vós.Desejo que esta imagem seja venerada primeiramente na nossa capela e depois no mundo inteiro.Prometo que a alma que venerar esta imagem não perecerá.Prometo também,já aqui na terra,a vitória sobre os inimigos e,especialmente,na hora da morte.Eu mesmo a defenderei como minha própria glória.(D 47.48)Desejo que os Sacerdotes anunciem esta minha grande  Misericórdia para com as almas pecadoras.Que o pecador não tenha medo de se aproximar de mim.Queimam-me as chamas da Misericórdia,quero derramá-las sobre as almas.A minha imagem já está na tua alma.Eu desejo que haja a festa da Misericórdia.Quero que essa imagem,que pintarás com o pincel,seja abençoada solenemente no primeiro domingo depois da pascoa,e esse domingo deve ser a festa da Misericórdia.(D 49) 

quinta-feira, 27 de março de 2014

VOCÊ TÊM CONFIADO EM SUA ORAÇÃO

Diante desta exortação,começo a me questionar,é a você também,meu irmão e minha irmã.Sempre quando falo sobre oração,lembro-me que esta palavra,têm sua duplicidade,ou seja ORAR é AÇÃO,pois bem,quem têm por abito ORAR,antes da AÇÃO,sempre realiza com êxito,sua empreitada,seja ela qual for,porem quem começa,a AÇÃO sem ORAR,muita das vezes faz,por fazer,ou simplesmente não observa,a presença do senhor lhe sustentando,quando vier o cansaço,ou a provação.No Catecismo da Igreja Católica:encontramos.
2559     "oração é a elevação da alma a Deus ou o pedido a Deus dos bens convenientes. De onde falamos nós, ao rezar? Das alturas de nosso orgulho e vontade própria, ou das "profundezas" (Sl 130,1) de um coração humilde e contrito? Quem se humilha será exaltado. A humildade é o fundamento da oração. "Nem sabemos o que seja conveniente pedir" (Rm 8,26). A humildade é a disposição para receber gratuitamente o dom da oração; o homem é um mendigo de Deus.
2567     Deus é o primeiro a chamar o homem. Ainda que o ho­mem esqueça seu Criador ou se esconda longe de sua Face, ainda que corra atrás de seus ídolos ou acuse a divindade de tê-lo abandonado, o Deus vivo e verdadeiro chama incessan­temente cada pessoa ao encontro misterioso da oração. Essa atitude de amor fiel vem sempre em primeiro lugar na oração; a atitude do homem é sempre resposta a esse amor fiel. A medida que Deus se revela e revela o homem a si mesmo, a oração aparece como um recíproco apelo, um drama de Alian­ça. Por meio das palavras e dos atos, esse drama envolve o coração e se revela através de toda a história da salvação.

1127     Celebrados dignamente na fé, os sacramentos conferem a graça que significam. São eficazes porque neles age o próprio Cristo; é ele quem batiza, é ele quem atua em seus sacramentos, a fim de comunicar a graça significada pelo sacramento. O Pai sempre atende à oração da Igreja de seu Filho, a qual, na epiclese de cada sacramento, exprime sua fé no poder do Espírito. Assim como o fogo transforma nele mesmo tudo o que toca, o Espírito Santo transforma em vida divina o que é submetido ao seu poder.
2737     "Não possuís porque não pedis. Pedis, mas não recebeis, porque pedis mal, com o fim de gastardes nos vossos prazeres" (Tg 4,2-3). Se pedimos com um coração dividido, "adúlte­ro" Deus não nos pode ouvir, porque deseja nosso bem, nossa vida. "Ou julgais que é em vão que a Escritura diz: Ele reclama com ciúme o espírito que pôs dentro de nós (Tg 4,5)?" Nosso Deus é "ciumento" de nós, o que é o sinal da verdade de seu amor. Entremos no desejo de seu Espírito e seremos ouvidos:
Não te aflijas se não recebes imediatamente de Deus o que lhe pedes: pois Ele quer fazer-te um bem ainda maior por tua per­severança em permanecer com Ele na oração. Ele quer que nosso desejo seja provado na oração. Assim Ele nos prepara para receber aquilo que Ele está pronto a nos dar.
Jesus ouve a oração
2616     oração a Jesus é ouvida por Ele já durante seu ministério, por meio dos sinais que antecipam o poder de sua Morte e Res­surreição: Jesus ouve a oração de fé, expressa em palavras (o leproso,Jairo, a cananéia, o bom ladrão, ou em silêncio (os carregadores do paralítico, a hemorroíssa que lhe toca as ves­tes, as lágrimas e o perfume da pecadora. O pedido insistente dos cegos: "Filho de Davi, tem compaixão de nós" (Mt 9,27)ou "Filho de Davi, tem compaixão de mim" (Mc 10,47) foi retomado na tradição da Oração a Jesus: "Jesus Cristo, Filho de Deus, Senhor, tem piedade de mim, pecador!" Quer na cura das enfermidades, quer na remissão dos pecados, Jesus responde sempre à oração que implora com fé: "Vai em paz, tua fé te salvou!"
Sto. Agostinho resume admiravelmente as três dimensões da oração de Jesus (cf. 2667): "Ele ora por nós como nosso sacer­dote, ora em nós como nossa cabeça, e a Ele sobe nossa oração como ao nosso Deus. Reconheçamos pois, nele, os nossos cla­mores e em nós os seus clamores".
2743     Orar é sempre possível: o tempo do cristão é o de Cristo ressuscitado que "esta conosco todos os dias" (Mt 28,20), apesar de todas as tempestades. Nosso tempo está nas mãos de Deus:
É possível até no mercado ou num passeio solitário fazer uma oração freqüente e fervorosa. Sentados em vossa loja, compran­do ou vendendo, ou mesmo cozinhando.
2744     Orar é uma necessidade vital. A prova contrária não é menos convincente: se não nos deixarmos levar pelo Espírito, cairemos de novo na escravidão do pecado. Como o Espírito Santo pode ser "nossa Vida", se nosso coração está longe dele?
Nada se compara em valor à oração; ela toma possível o que é impossível, fácil o que é difícil. E impossível que caia em pe­cado o homem que reza.
Quem reza certamente se salva; quem não reza certamente se condena.                                                  O padre Kolbe dizia:A ORAÇÃO FAZ,RENASCER O MUNDO,REZEMOS BEM,REZEMOS MUITO,pois bem queridos irmãos é irmãs,na palavra de Deus encontramos também.
24.É por isso que eu digo a vocês: tudo o que vocês pedirem na oração, acreditem que já o receberam, e assim será.(Mc 11,24)
7."Peçam, e lhes será dado! Procurem, e encontrarão! Batam, e abrirão a porta para vocês!
8.Pois todo aquele que pede, recebe; quem procura, acha; e a quem bate, a porta será aberta.
9.Quem de vocês dá ao filho uma pedra, quando ele pede um pão?
10.Ou lhe dá uma cobra, quando ele pede um peixe?
11.Se vocês, que são maus, sabem dar coisas boas a seus filhos, quanto mais o Pai de vocês que está no céu dará coisas boas aos que lhe pedirem."(Mt 7)
12.Eu garanto a vocês: quem acredita em mim, fará as obras que eu faço, e fará maiores do que estas, porque eu vou para o Pai.
13.O que vocês pedirem em meu nome, eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho.
14.Se vocês pedirem qualquer coisa em meu nome, eu o farei."(Jo 14)
Sendo assim,será que temos confiado,em nossa oração,até quando eu ORO,é como ORO,nas necessidades somente,ou aflições,e ai poderíamos trazer,diversas situação neste momento,no qual a oração si faz necessária,mais vivemos em um mundo,onde muitos estão longe do senhor e de seus desígnios para eles,mediante a isto peçamos,a graça do espírito santo,que possa vir ao nosso auxilio,que a bem Aventurada Virgem Maria,nos anime na missão,e juntos,trazer para o nosso dia a dia,a oração é confiar no poder dela,pois como o sangue corre pelo corpo,ela deve fazer a diferença em nossas vidas,que como Pai Abraão,temos que ser insistente diante de Deus,por nos,pela nossa família,amigos,trabalho em fim pela humanidade.
16.Os homens se levantaram e olharam em direção a Sodoma; e Abraão foi acompanhá-los para a despedida.
17.Javé dizia: "Será que devo esconder de Abraão o que vou fazer,
18.uma vez que Abraão se tornará uma nação grande e poderosa, e que através dele serão abençoadas todas as nações da terra?
19.Eu o escolhi para que ele instrua seus filhos, sua casa e seus sucessores, a fim de que se mantenham no caminho de Javé, praticando a justiça e o direito; desse modo, Javé realizará tudo o que prometeu a Abraão".
20.Então Javé disse: "O clamor contra Sodoma e Gomorra é muito grande e o pecado deles é muito grave.
21.Vou descer para ver se, de fato, as ações deles correspondem ou não ao clamor que subiu até mim contra eles. Então, ficarei sabendo".
22.Os homens partiram daí e foram para Sodoma, enquanto Javé permanecia com Abraão.
23.Abraão aproximou-se e perguntou: "Destruirás o justo com o injusto?
24.Talvez haja cinqüenta justos na cidade! Destruirás e não perdoarás a cidade pelos cinqüenta justos que estão no meio dela?
25.Longe de ti fazeres tal coisa: matar o justo com o injusto, de modo que o justo seja confundido com o injusto! Longe de ti! Será que o juiz de toda a terra não fará justiça?"
26.Javé respondeu: "Se eu encontrar cinqüenta justos na cidade de Sodoma, perdoarei a cidade toda por causa deles".
27.Abraão continuou: "Eu me atrevo a falar ao meu Senhor, embora eu seja pó e cinza.
28.Mas talvez faltem cinco para os cinqüenta justos: por causa de cinco, destruirás a cidade inteira?" Javé respondeu: "Não a destruirei, se eu nela encontrar quarenta e cinco justos".
29.Abraão insistiu: "Suponhamos que só existam quarenta!" Javé respondeu: "Por causa dos quarenta, eu não o farei".
30.Abraão continuou: "Que meu Senhor não fique irritado se eu continuo falando. E se houver trinta?" Javé respondeu: "Se houver trinta, eu não o farei".
31.Abraão insistiu: "Estou me atrevendo a falar ao meu Senhor. Talvez haja vinte!" Javé respondeu: "Por causa dos vinte, eu não a destruirei".
32.Abraão continuou: "Que o meu Senhor não se irrite se eu pergunto pela última vez: E se houver dez?" Javé respondeu: "Por causa dos dez, eu não a destruirei".
33.Quando terminou de falar com Abraão, Javé foi embora. E Abraão voltou para o seu lugar.(Gn 18)